"Duas Mulheres, Dois Destinos" de Lesley Pearce (opinião)

Fico um bocadinho irritada quando me dizem que acham que os livros da Lesley são chiklit. A meu ver, lá porque um livro tem uma capa bonitinha e até vem dentro de um saquinho de tule, não quer dizer que seja o que aparenta. Já todos sabemos que não devemos julgar um livro pela capa, certo? Então porque o fazem? Quem o diz devia ser obrigado a ler pelo menos um livro da Lesley, como por exemplo o "Não me Esqueças" e logo se aperceberia da barbaridade que é apelidar estes livros de chicklit.

Mas enfim... falando sobre este livro específico, "Duas Mulheres, Dois Destinos" tenho de dizer que mais uma vez Lesley Pearse me surpreendeu. Os seus livros são sempre tão completos! Desde o enredo em si, às personagens principais, ao ambiente onde se desenrola a história... tudo bate certo e contribui para nos levar numa viagem maravilhosa.

Neste caso, a história centra-se na amizade de duas jovens inglesas, vindas de extremos opostos da sociedade. Acompanhamos as suas aventuras e desventuras à medida que crescem, e ao longo da história, tanto uma como outra, são sujeitas a sérias situações que vão exigir de ambas um grande nível de maturidade. Está claro que a história que se inicia em 1935 se prolonga guerra a dentro, e todas as adversidades que o povo inglês teve de superar estão bem patentes na história.

Como já não é o primeiro livro que leio desta autora, sei que ela gosta de incluir factos verídicos na história, por isso não me admirei quando ao tentar saber um pouco mais sobre Babbacombe - uma localidade no sudoeste de Inglaterra onde se desenrola uma grande parte da ação - encontrei relatos de um dos mais dramáticos ataques aéreos ali ocorridos e que Lesley incorporou neste livro: o bombardeamento da Igreja de Saint Mary que ceifou a vida a mais de duas dezenas de crianças que se encontravam na catequese.


Acho fascinante podemos contar com registos fotográficos como este, que acabam por nos servir como auxiliares de leitura. Não concordam?


Resumindo e concluindo, sobre este livro "Duas Mulheres, Dois Destinos", acho que Lesley Pearse deve continuar a escrever e a maravilhar-nos com estas histórias dentro da História, relatos magníficos que servem quase como testemunhos de uma época que dificilmente se esquecerá.

É um livro que recomendo sem hesitações, principalmente para quem nunca leu Lesley, pois vai ficar rendido a este seu dom de contar histórias. Duas mulheres, duas grandes lições de vida e uma amizade que supera todas as adversidades.
Merece as minhas 7 estrelas!! Que grande começo de ano!

Sugestão da Semana 3 de 2018

O livro que hoje vos trago é de uma das minhas autoras favoritas: Luanne Rice. Alguém já leu alguma coisa dela?

Bem, descobri que este livrito está com uma promoção magnífica na Wook, e como sabem, adoro sugerir-vos tentações!

"O Barco Encantado" é um livro lindíssimo cuja sinopse promete que «irá falar ao coração de todas as mães, filhas e irmãs.» 
Espreitem a minha opinião e verão como ficarão rendidos. ;)

Ler...


Resultado do Passatempo de Janeiro - "Limões na Madrugada"

Cá estou eu para anunciar o vencedor deste passatempo maravilhoso, proporcionado pela Cultura Editora, a quem desde já agradeço.

Deixo-vos então com as respostas corretas às perguntas efetuadas:

Onde vive Adriana? Argentina.
O que veio Adriana fazer a Portugal? Desvendar o passado da sua família.
Sobre a autora, que outros livros publicou? "Alma Rebelde", "A Chama ao Vento", "O Ano da Dançarina" e "O Cavalheiro Inglês"

De entre os 237 participantes considerados válidos, foi sorteado a seguinte vencedora:

Ana Isabel Gomes Machado
de Santo Tirso

Parabéns!! Vais receber o livro na morada indicada durante os próximos dias. :)

Planos de fim de semana...



Sugestão da Semana 2 de 2018

O livro que vos sugiro esta semana é de uma daquelas autoras que muita gente conhece - Joanne Harris. Os títulos mais conhecidos são obviamente "Chocolate" e os relacionados com esse, mas esta autora tem uma bibliografia bem mais rica e vasta. Espreitem aqui.

Adorei ler este "A Praia Roubada". É um dos títulos que guardo com carinho na minha memória.
Podem ler a minha opinião aqui.

Está à venda na Wook por 10,14€ (50% do preço normal!).
Vale mesmo a pena!

"Reino de Feras" de Gin Phillips (opinião)

Existem alguns livros que exigem de nós, leitores, um pouco mais do que o normal. Ou seja, parece-me que certos autores convidam-nos (leia-se obrigam-nos) a participar na leitura de uma forma mais ativa, não nos facilitando a interpretação dos acontecimentos ao longo da história e até nos forçando a dar-lhe o final que achamos/sentimos como adequado. Gin Phillips, para mim, encontra-se nesta categoria.

A história começa subtilmente, com uma mãe e o seu filhote de 4 anos a dar por terminada mais uma visita ao Jardim Zoológico, que é o seu local favorito. Minutos antes da hora de fecho eles ouvem o que parecia ser um tiroteio longínquo mas Joan, a mãe, não associando o som a perigo, apressa-se com o seu pequenote para a saída. É aí que ela começa a se aperceber que algo está errado. Vê umas formas estranhas no chão... corpos caídos sem vida, e Joan faz o que o seu instinto lhe ordena: pega em Lincon e foge para local seguro.

Aqui a história sobe de tom o leitor finalmente entende o nome do livro: Reino de Feras / Fierce Kingdom. Feras são os homens que andam a matar pessoas indefesas naquele Jardim Zoológico, feras são os animais que vivem naquele Jardim Zoológico, e em fera supostamente se transforma uma mãe quando se trata de proteger a sua cria. Pelo menos assim deveria ser, mas tenho de ser sincera, estava à espera de mais "fierce" = ferocidade em Joan. O seu discurso, apesar de revelar bem o medo e a tensão, apenas demonstra a sua incapacidade em controlar a situação, o filho e o resultado. Parece-me mais alguém que bloqueou perante uma situação de perigo. Não sei como eu reagiria, mas sei que Joan não está a reagir como a sinopse promete. Apesar disso, consegui colocar-me no seu lugar e acredito que não seria fácil obrigar um menino de 4 anos a ficar caladinho durante 3 horas, com frio e fome e perante uma situação tão anormal para a sua curta vida.

A urgência, o nervoso miudinho e a tensão constante contribui para o crescendo na história. As páginas voam e a respiração do leitor mistura-se com a das personagens, quase silenciosa, tentando também escapar aos que andam à caça. Mas o final... bem, o final é subjetivo. Acho que cada um que ler este livro vai fazer a sua própria interpretação. Quanto a mim, estou em crer que vou andar durante uns dias a pensar nisto. Não devo é ir ao Jardim Zoológico tão cedo. ;)

Pareceu-me uma boa estreia no género para esta autora, se bem que gostava de a ler noutro registo. Fiquei com a sensação de que Gin Phillips tem mais para oferecer.

Ler...


Primeira leitura de 2018 = 8 estrelas!

Até onde vai uma mãe para proteger o seu filho?

Em 2017 apaixonei-me por uma Formiga.

Em 2017 apaixonei-me por uma Formiga.
No livro "Onde Cantam os Grilos"

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)