"Ilhas de Paixão" de Miriam Hotchkiss (opinião)

Não sou grande aficionada por este género de literatura - livros com bolinha vermelha, como gosto de os apelidar. No entanto, foi-me lançado o desafio (pela tradutora, Ana Saragoça) e como boa amiga que sou, aceitei. Continuo a achar que dispensava certas passagens do livro, mas a verdade é que o seu conjunto até está muito equilibrado.

A história está muito bem construída e a escrita desta autora é uma verdadeira delicia. Nunca li nada dela, acho até que é o seu primeiro livro do género, mas acredito que deve ser uma pessoa muito divertida, já que consegui intuir o seu sentido de humor por entre as linhas do livro. Para ser honesta, até me diverti bastante. O humor sátiro que a autora utiliza em determinadas cenas e para descrever certas personagens é deveras hilariante. Soltei umas boas gargalhadas!

Depois há os locais. A primeira parte do livro passa-se na Inglaterra, numa pequena vila de província, e as descrições da autora facilmente nos transportam para aquele lugar e para aquela época. A surpresa foi o local escolhido para a segunda (e mais importante) parte do livro - os Açores. Acredito que a autora já esteve naqueles locais que tão bem descreve, de tal forma que, apesar da época ser diferente, nos levar sentir estar a respirar aquele maravilhoso e revigorante ar das ilhas portuguesas. 
Repararam como a capa é lindíssima, com a imagem da ilha do Pico ao fundo?

Sobre as personagens, há que dizê-lo, são um pouco estereotipadas, mas na realidade, não assim que deve ser numa sátira? De todas, a personagem mais encantadora, que não poderia deixar de o ser, é Emily. Ela é a personagem mais trabalhada, mais rica, no sentido de que partilha com o leitor os seus pensamentos, as suas ideias, as suas convicções. A meu ver deveria transparecer ter um temperamento mais resoluto, pois fica a parecer que se não tivesse tido a ajuda certa, ela não conseguiria romper com o destino que lhe era certo. Mas, felizmente, a sua estrela da sorte interveio e Emily conseguiu embarcar numa aventura rumo à liberdade. Claro que, se retirássemos algumas das cenas com bolinha vermelha, deixaria de ser uma história sobre a libertação sexual de uma jovem vitoriana e passaria a ser uma história num tom mais feminista, sobre a libertação de uma mulher contra os preconceitos e amarras da sociedade inglesa do século XIX. 
Acho até que Emily deixou as portas abertas para uma segunda aventura. Gostava muito de continuar a acompanhar a sua viagem até ao Canal do Suez... Esperemos que a autora também seja dessa opinião. 😉
 
No geral posso dizer que foi uma leitura que me surpreendeu imenso, pela positiva! Uma história leve, divertida e com imensas surpresas, já para não falar das cenas mais calientes.

Uma boa leitura para o verão que se aproxima! 
Recomendo.

2 comentários:

Maria João Covas on 13/6/17 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria João Covas on 13/6/17 disse...

A minha amiga Anabela Gaio levou-me a colocar este livro no cimo da pilha. Realmente é um livro diferente. De leitura escorreita, a heroína, (e algumas das outras personagens) acaba por ser alguém fora, mesmo fora, do seu tempo. Todas as suas opções são modernas, para não dizer mais, para a época em que se passa o livro. Nesta perspetiva por vezes o livro torna-se surpreendente. Gostei e fiquei curiosa de ver outros livros da autora

Um livro magistral!

Um livro magistral!
Neste livro, Jodi Picoult aborda temas como a raça, o privilégio, o preconceito, a injustiça e a compaixão.

O novo livro de Deborah Smith

Novo Thriller de Paula Hawkins

Uma história maravilhosa!

O livro sensação de 2017!

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)