"Encontrei-te nas Páginas de um Livro" de Xavier Bosch (opinião)


Adoro livros que falem sobre livros, leitores, livrarias e afins… por isso esta capa e este título fizeram logo o meu coração palpitar. E na verdade, chegada agora ao fim desta leitura posso dizer, sem sombra de dúvida, que muito mais do que a história de um amor ao qual o destino não sorriu, este livro é uma homenagem aos livros e às livrarias, esses refúgios das palavras e museus do pensamento.

O enredo centra-se na história de um amor inesperado, fortuito, entre Paulina, uma mulher barcelonesa casada e com uma jovem filha, e Jean-Pierre Zanardi , o verdadeiro bon vivant, dono de uma galeria de arte em Paris. Os dois conhecem-se no casamento de uma prima de Paulina, e entre eles surge algo tão intenso que, mesmo tendo o relacionamento durado apenas quatro dias, lhes durará para toda uma vida. O autor fala de amor. Eu cá já não sei se assim lhe chamaria.

Bem, este affair é descoberto acidentalmente, muitos anos mais tarde, pela filha de Paulina que, por ter perdido a mãe em tenra idade e sentir que não a conheceu verdadeiramente, decide ir em busca de mais informação sobre o tal romance. O que ela descobre é, sem dúvida, precioso para uma jovem mulher que se encontra meio perdida na vida e que precisa de um empurrão para seguir no caminho certo, mas para nós, leitores, é igualmente preciosa a história que aos poucos se revela - a de um amor em que um dos protagonistas decide deixar o seu desenlace nas mãos do destino.

As personagens não são muitas, mas para preencher esse vazio, quase que me dá a sensação que o autor criou um conjunto de personagens silenciosas que enriquecem a história e dão cor aos livros de que tanto gostamos – as livrarias. Paulina visita imensas livrarias (depois perceberão porquê) e até há uma pequena passagem sobre a Livraria Lello que não posso deixar de partilhar:


«Paulina nunca tinha visto uma livraria com uma fachada tão imponente como a da Lello. Um edifício neogótico singular, com acabamentos modernistas de pedra esbranquiçada. Pareceu-lhe mais uma igreja do que uma loja.  No entanto, ela estava ali com uma ideia, e naquele momento de obsessão não tinha tempo para contemplar os pormenores arquitectónicos. Porém, quando entrou, a primeira vista de olhos minava toda a livraria lembrou-lhe a escadaria do Titanic que tinha visto num livro que tinha em casa. Era uma escada senhorial, com essa forma nobre de envelhecer que a madeira escura tem. Depois, quando levantou a cabeça e viu a grande curva da escada, como um bicho de conta gigante a espreguiçar-se, ficou extasiada. Com as indicações em português, não teve problemas para se orientar. Aquilo que procurava tinha de estar no primeiro andar. Ao chegar lá, apercebeu-se que a escada tinha uma barriga que parecia mágica, como se estivesse suspensa no vazio. O teto, um vitral de cores de ponta a ponta, era outra obra de arte que iluminava toda a Livraria Lello & Irmão.»

O que poderia ter sido uma simples e banal história de amor, Xavier Bosch conseguiu transformar numa pequena pérola para os amantes de livros, como eu. A não perder!

«- Sabes como é que chamam no Egipto a uma biblioteca? (…) O tesouro do remédio da alma.»

P.S. Adorava fazer uma viagem a visitar todas as livrarias que Paulina visitou. Que itinerário maravilhoso seria!!


Para mais informações sobre este livro podem visitar a página do mesmo no site da Marcador.

0 comentários:

Este livro traumatizou-me! Mas estou à espera do segundo. ;)

Um livro maravilhoso, cujas personagens me marcaram.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)