"A Rapariga Que Lia no Metro" de Christine Féret-Fleury (Opinião)

Livros que falam de livros e leitores são a minha perdição. Não deixo escapar nenhum! Por essa razão, este “A Rapariga Que Lia no Metro” também teve de vir parar cá a casa.

Para começar, adoro o título. É a premissa de uma boa aventura livresca, embora a história depois fuja um pouco à ideia inicial. E a capa? Simples e cativante, não acham?
Boa aposta, Porto Editora! 😉

Bem, assim que as palavras começam a povoar a primeira página do capítulo I, fiquei imediatamente fisgada.

Juliette é uma jovem que apanha todos os dias o mesmo metro rumo ao emprego. Ela tem o adorável vício de bisbilhotar os livros que os outros passageiros vão a ler – quem não o fez que atire o primeiro livro! lol. Gosta de imaginar as suas vidas, ricas e preenchidas, bem diferentes da sua, que nada tem de especial. Juliette trabalha numa agência imobiliária e os dias são todos iguais.
Um dia, por acaso, ela muda de trajeto e aí a sua vida vai mudar radicalmente.

Deparamo-nos então com uma bela história, a roçar o fantástico, com imensas referências literárias que enriquece de sobremaneira a narrativa. Para além de falar sobre livros de uma forma generalista, também especifica alguns que, obviamente, aquecem o coração de qualquer leitor. O primeiro a saltar-me à vista foi um livro que adorei “Rebecca” de Daphne Du Maurier, cujo destino do exemplar que cai nas mãos de Juliette é bem interessante.

O texto, escrito com uma fluidez e meiguice inesperadas, é delicioso:

«Juliette deu mais três passos e estendeu o braço, roçando as folhas curvadas pela humidade. Com a ponta da língua humedeceu o lábio superior. Ver um livro entalado entre dois painéis de metal provocava-lhe um sofrimento que era quase superior ao de afogar uma aranha. Suavemente, encostou o ombro a um dos batentes e empurrou; o volume deslizou um pouco mais para baixo. Apanhou-o e, mantendo-se encostada à porta, abriu-o e aproximou-o do rosto.

Sempre gostara de cheirar os livros, de os farejar, sobretudo quando os comprava em segunda mão – os livros novos também tinham odores diferentes consoante o papel e a cola utilizados, mas ficavam mudos em relação às mãos que os haviam segurado, às casas que os haviam abrigado; ainda não tinham história, uma história bem diferente daquela que contavam, uma história paralela, difusa, secreta. Alguns cheiravam a mofo, outros guardavam entre as suas páginas vestígios tenazes de caril, de chá ou de pétalas secas; manchas de manteiga sujavam por vezes a sequência; uma erva comprida, que desempenhara o papel de marcador durante toda uma tarde de verão, desfazia-se em pó; frases sublinhadas ou anotações à margem reconstituíam, em pontilhado, uma espécie de diário íntimo, um esboço de biografia, por vezes o testemunho de uma indignação, de uma rotura.

Aquele cheirava a rua – uma mistura de ferrugem e fumo, de guano, de pneus queimados. Mas também, e isso era espantoso, a menta. Alguns caules destacaram-se do vinco, caíram sem ruído e o perfume tornou-se mais intenso.»

É sem dúvida uma pequena pérola para os amantes dos livros. Não concordam?

0 comentários:

Este livro traumatizou-me! Mas estou à espera do segundo. ;)

Um livro maravilhoso, cujas personagens me marcaram.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)